27 de julho de 2010

A Batalha do Apocalipse entre os 10 livros mais vendidos de ficção!

“Tudo começou com menos de 100 cópias, cedidas pela vitória de um concurso na Bienal do Livro. Desde então, o mega investimento no fantástico livro de Eduardo Spohr se mostra cada vez mais digno de nota. E acima de tudo, os nerds que leram, gostaram, e divulgaram A Batalha do Apocalipse são os responsáveis pelo lançamento nacional através da Editora Record.”

Em apenas três semanas de seu lançamento nas livrarias de todo o Brasil, ABdA já é o oitavo livro mais vendido de ficção, logo atrás de Dan Brown! A fonte é do caderno “Prosa e Verso” d’O Globo de sábado, dia 24/07/2010. Clique na imagem acima para ampliar.

O meu livro comprei semana passada junto com os outros livros de Percy Jackson, e quando eu terminar de ler prometo postar sobre o que achei do livro.


Via Jovem Nerd

23 de julho de 2010

O lado negro da Força usa semiautomática!

Darth Vader, um dos mais iconicos vilões do cinema, inspirou um assalto à agência de banco Chase, em Long Island nos Estados Unidos, às onze e meia da manhã de quinta passada.

O criminoso simplesmente entrou e foi direto ao caixa pegando todo o dinheiro que estava na gaveta. De acordo com o site My Fox New York, “no lugar de usar um sabre de luz, ‘Darth’ ameaçou o caixa com uma arma semiautomática”.

Trajado de capa e máscara, além de uma calça que o ajudava a se camuflar, o ladrão saiu do banco até o estacionamento e fugiu em uma bicicleta. Testemunhas disseram que a capa tremulava conforme ele fugia. Outra testemunha ocular disse que pensou se tratar de uma brincadeira de mau gosto, mas viu que realmente não era.

O Sargento Lamb disse: “Depois de 28 anos nada mais me surpreende, mas este [caso] foi único”.

Espero que não vire moda por aqui.

Vi no site Jovem Nerd

20 de julho de 2010

Nova imagem do filme de Thor.

As últimas imagens da adaptação da Marvel Studios de seu eterno personagem nórdico Thor decepcionaram bastante vários fãs. As armaduras “modernizadas” ficaram não só estranhas, mas não pareceram combinar com o visual de Loki e de Odin.

No entanto, a nova imagem liberada deixa as coisas mais tranquilas. A qualidade é ruim e a imagem não mostra muita coisa, mas é possível ver os dois corvos do Deus dos Deuses, Hugin e Munin, e o elmo mega característico do Deus das Enganações, com os grandes chifres dourados. Clique para ampliar.


Vamos torcer para que o filme continue a manter a qualidade dos outros filmes da Marvel Studios. Thor será lançado no dia 6 de maio de 2011, e tem Anthony Hopkins como Odin, Chris Hemsworth como Thor e Tom Hiddleston como Loki.

Vi no site Jovem Nerd

16 de julho de 2010

Eu Li: O Ladrão de Raios

Sabe aqueles dias em que você entra na livraria ou na biblioteca disposto a achar algo novo pra ler e sai em busca de um título novo, procura em cada prateleira seção por seção, algo que chame sua atenção e desperte seu interesse. Se você é um amante da leitura provavelmente já deve ter tido uma experiência destas, e por isso mesmo deverá saber o quanto é prazeroso descobrir que sua aposta fora certa. Foi essa exatamente a sensação que tive ao adquirir o primeiro livro da série Percy Jackson e os Olimpianos.

O ladrão de raios é surpreendentemente agradável, uma história envolvente e bem escrita, numa linguagem simples e nem por isso medíocre, trás uma nova roupagem aos contos mitológicos gregos. O ritmo contínuo e elétrico tira o fôlego, deixando o leitor na expectativa pela próxima ação das personagens ou pela próxima frase sarcástica do adolescente que protagoniza a aventura. E mais uma vez me vejo atraído por uma nova série de fantasia e aventura. Bem, Percy não é um Harry Potter, uma série que tem os seus méritos por ter despertado jovens e crianças para a leitura.

Em vez de ser usado um mundo de bruxos, o autor, Rick Riordan, aposta no óbvio e o faz com uma maestria o que não se via a muito tempo. Reconta os épicos gregos, atualizando o contexto – o ponto alto esta em Ares(Deus da Guerra) na sua Harley(Moto) - e fazendo uma forte crítica, no decorrer da narrativa, aos maus modos do ser humano moderno para com a natureza. Por fim a série Percy Jackson e os Olimpianos não deixa pra menos, as situações propostas na trama é de deixar você grudado na leitura do inicio ao fim, e está pessoa vos escreve espera ansiosamente pela próxima aventura do jovem Semi-Deus(Na qual acho que compro essa semana).

10 de julho de 2010

Toy Story 3 Eu vi: Todas as crianças crescem menos uma.

Pra começar esse texto vou usar um trecho do blog Cinema e Eu que diz o seguinte:

“Não importa o quanto cresçamos, vamos sempre nos lembrar dos velhos tempos. A vida é feita de fases. As fases passam. As lembranças, não.”

Toy Story fez parte da infância de muita gente, mas em mim foi mais do que isso a história desses brinquedos me tocou de uma maneira bem profunda. Wood, Buzz, Slink, Sr e Sra cabeça de Batata, Rex, Jessie eo Bala no alvo, poxa esse brinquedos tão queridos estão juntos em mais um filme, que pra mim fecha com chave ouro a história desses amigos de longa data.

Toy Story 3 começa em tom de nostalgia lembrando de forma sublime frases ditas no primeiro filme, e depois fecha com um clipe super lindo mostrando a infância do Andy ao som da musica hino e tema universal da série Toy Story “Amigo estou aqui”, e depois de tudo isso somos acordados pela verdade de que o Andy cresceu de que ele não é mais aquele garoto que conhecemos no primeiro filme, agora ele está indo pra faculdade e vai começar uma nova fase em sua vida, na qual ele tem que dizer adeus aos seus brinquedos tão queridos.

Deparados com esse novo rumo os eternos amigos Woody e Buzz percebem que podem parar em três lugares diferentes: eles serão guardados na caixa da faculdade, do sótão ou no saco do lixo. Mas um capricho do destino irá levá-los a um lugar completamente diferente, uma creche, onde nada é o que parece ser, e eles terão uma incrível aventura pela frente. Novos brinquedos entram em cena, incluindo um super vilão, mas o casal Barbie e Ken rouba a cena, com a hilária metrossexualidade dele e a aparente fragilidade dela.

Fui assistir o filme no cinema do Shopping Boa Vista junto com a Katy uma amiga que conheci aqui no blog, eu entrei no cinema com a certeza de que estava prestes a me despedir de amigos tão queridos e amados, e foi difícil não conter as lagrimas, pois o filme joga com maestria o riso e o choro de uma forma surpreendente. Lembro que uma vez falei aqui mesmo no blog que os filmes da Pixar nos transportam ao nosso tempo de criança, mesmo que por poucos e preciosos momentos, mas eu vi nesse filme mais que uma simples despedida entre brinquedos... Para mim, ao menos, foi como uma passagem na vida, uma dessas que odiamos ter que passar, mas por vontades alheias as nossas somos obrigados a encarar.

Toy Story 3 não é uma simples continuação sem sentido e sem alma (Sim, Shrek estou falando de você VIU), esse filme fecha com simplicidade uma das mais divertidas séries da história do cinema, e nos faz mostrar que continuações feitas com o coração e respeito com os fãs podem dar certo. E pra mim a mensagem central do filme é de que não importa o quanto cresçamos, sempre vai existir uma criança dentro de nós. Então se você esta pensando em ver, eu recomendo que veja com o coração, e deixe as emoções fluirem.

8 de julho de 2010

A Pequena Sereia vai ganhar versão Live Action!

Um dos maiores clássicos da Disney, A Pequena Sereia, ganhará uma versão live-action graças a Working Title Films e Joe Wright, cineasta responsável por Orgulho e Preconceito.

A versão que irá pras telonas é baseada na peça infantil de fantoches, desenvolvida pela companhia londrina Little Angel Theatre Company. Ainda não há informações sobre escalação de elenco ou data de estreia.

O conto de A Pequena Sereia foi originalmente publicado em 1837, por Hans Christian Andersen. Para a empreitada, Abi Morgan (Um Lugar Chamado Brick Lane) será o responsável pelo roteiro.

Vi no site Jovem Nerd

6 de julho de 2010

Efeito borboleta é detectado no cérebro

Cérebro não-confiável

Da próxima vez que sua memória lhe pregar uma peça, você já tem uma desculpa: de acordo com uma pesquisa feita por cientistas britânicos, e publicada no último exemplar da revista Nature, o cérebro é intrinsecamente não-confiável.

Isto pode não ser muito surpreendente para a maioria de nós, sempre às voltas com esquecimentos e erros de raciocínio, mas o fato tem confundido os neurocientistas há décadas.

O problema parece começar no fato de que os cientistas comparam o cérebro com um computador.

E, assim sendo, o cérebro seria também o dispositivo de computação mais poderoso que se conhece, como poderia ele funcionar tão bem se o comportamento dos seus circuitos é variável?

Efeito borboleta no cérebro

Uma hipótese levantada há muito tempo é que os circuitos do cérebro são de fato confiáveis, e a variabilidade aparentemente alta se deve a que o cérebro está envolvido em muitas tarefas simultaneamente, uma afetando as outras.

É esta hipótese que os cientistas da Universidade College London agora testaram diretamente.

A equipe se inspirou no chamado efeito borboleta - que estabelece que o bater das asas de uma borboleta no Brasil pode gerar um tornado no Texas, devido a uma longa cadeia de causalidades que se espalha sem controle a partir de um evento inicial.

Efeito multiplicador

O experimento consistiu em introduzir uma pequena perturbação no cérebro, o equivalente neural do bater de asas de uma borboleta, e acompanhar o que aconteceria com a atividade nos demais circuitos cerebrais.

Os resultados mostraram que o pequeno evento inicial gera um gigantesco efeito multiplicador.

A perturbação inicial consistiu de um único impulso nervoso - um disparo de neurônio - induzido no cérebro de um rato.

Esse único disparo extra causou cerca de trinta novas sinapses nos neurônios próximos, a maioria dos quais geraram outros trinta disparos extras, e assim por diante.

Isso pode não parecer muito, dado que o cérebro produz milhões de sinapses a cada segundo, mas os pesquisadores estimaram que o impulso extra induzido artificialmente afetou uma quantidade de neurônios no cérebro que também atinge a casa dos milhões.

Ruído no cérebro

"Este resultado indica que a variabilidade que vemos no cérebro pode ser na realidade devido ao ruído, e representa uma característica fundamental da função cerebral normal," afirma o Dr. Mickey Londres, coautor do artigo.

Esta rápida amplificação de disparos neuronais significa que o cérebro gera muito mais ruído do que os computadores.

No entanto, o cérebro pode realizar tarefas muito complexas com enorme velocidade e precisão - com muito mais rapidez e precisão do que o computador mais poderoso já construído, e provavelmente a ser construído em um futuro imaginável.

Os pesquisadores sugerem que, para que o cérebro funcione tão bem frente a níveis tão elevados de ruído, ele deve estar usando uma estratégia chamada de código de frequência (rate code).

Em um código de frequência, os neurônios consideram a atividade de um conjunto de muitos neurônios, ignorando a variabilidade individual, ou ruído, produzido por cada um deles.

Fiação cerebral

Se a hipótese estiver correta - e o cérebro produzir mesmo muito ruído - restaria saber o porquê.

Os pesquisadores sugerem que uma possibilidade é que este seja o preço que o cérebro paga pela alta conectividade entre os neurônios - cada neurônio conecta-se a cerca de 10 mil outros, resultando em mais de 8.000 mil quilômetros de "fiação" no cérebro humano.

Os cientistas consideram que a alta conectividade é pelo menos em parte responsável pela capacidade computacional do cérebro.

No entanto, como mostra a pesquisa, quanto maior a conectividade, mais ruidoso será o cérebro. Portanto, embora o ruído não seja um recurso útil, ele seria, pelo menos, um subproduto de um recurso útil.

Fonte: Diário da Saúde

Vi no blog Mente Humana

1 de julho de 2010

Frase do Mês

"Não importa o quanto cresçamos, vamos sempre nos lembrar dos velhos tempos. A vida é feita de fases. As fases passam. As lembranças, não."

By: Luciano Carneiro

Aluado Blog Tumblr

SocialVibe