21 de abril de 2011

Você vai para o Céu?

O texto logo a seguir é do blog João Oliveira - Psicólogo o João Oliveira é um grande amigo meu, então eu espero que gostem do texto.

Bem, isso é apenas um breve questionamento, totalmente laico e sem intenção de especular sobre crenças ou fé de qualquer pessoa. Sabemos que todas as religiões são boas, o que estraga, algumas vezes, é o homem inserido nelas e isso vale para todas as formas de grupos, sejam religiosos ou não. Juntou mais de vinte, vamos ter algum problema ideológico, com certeza!

Mas, como tema da especulação, deixe que a sua mente faça uma époque e, permita-se viajar um pouco, nessa falha e não científica argumentação. Imagine que, por alguma fatalidade, eu e você viéssemos a morrer hoje. Agora! Os dois juntos, você aí, onde está lendo e eu aqui, tocando violão e assustando os vizinhos com a minha voz.

Mortos nossas almas deverão seguir algum caminho. Vamos pensar que, a nossa trajetória de vida foi reta e ordeira e, como prêmio, vamos, os dois, para o Céu. Na entrada, naquele portão imenso e dourado, tem um personagem que nos espera com as chaves na mão. Ele é o responsável por abrir, ou não, a porta do céu para permitir a nossa entrada.

Óbvio pensar que é o próprio São Pedro que lá está. Guardião do reino do céu, detentor do chaveiro mais cobiçado entre os mortais. Ele nos olha com a simplicidade dos santos e pergunta se sabemos que ele é. Claro! Você diria e eu também: “ – Sabemos quem é o Senhor. O que controla as chuvas, trovoadas, raios, capaz de, com a força dos ventos provocar maremotos e, se zangado estiver, suas tempestades podem ser arrasadoras!”

Ele nos dá um sorriso, e diz que não é bem assim. Abre as portas e entramos, eu e você.

Poderia ser de outro jeito não é? Vamos supor que, hoje é feriado no Céu, São Pedro está de folga e, em seu lugar foi escalado Indra. Você entra? Saberia responder a pergunta que São Pedro nos fez? Ah...

Pois bem. Eu entro! Mal ele faz a pergunta e eu já saio com essa: “ – Claro meu senhor Indra, seu outro nome é Shakra, rei de todos os devas, reina sobre a chuva, comanda os raios nas noites de tempestade, reina sobre as guerras e é, o grande administrador dos céus!”

Acredito, modestamente, que depois dessa conversa Indra vai descer do elefante e gritar: “ – É nóis!”.

Estou dentro!

No entanto, não é Indra que está lá na porta nos aguardando, é o Thor, ele substituiu São Pedro hoje. E agora? Você entra?

Vou tentar jogar o seguinte argumento para responder a pergunta dele que é, naturalmente, se o reconhecemos: “ – Sei quem és, Thor, filho de Odin, senhor de Asgard, detentor de Mjolnir, o destruidor martelo mágico. Sei, senhor, que és o controlador das chuvas, trovoadas e dos raios mortais. Permita minha entrada em seu reino pois já percorri toda estrada do arco-irís.” Posso apostar com você que ele vai sair da carruagem, deixar os dois bodes de lado, me dar um abraço e falar: “ – Você me lembra Loki, calvo mortal!”.

Mais uma vez, estou dentro. E você?

Para nosso azar, ou sorte, não é nenhum deles que hoje toma conta das chaves do reino. Um sujeito alto e com cara zangado chamado Júpiter está lá. E agora irmão?

Bom, com muito zelo, vou falar baixinho: “ – Posso lhe chamar de Zeus?”

Tô dentro!

Para encurtar essa novela, na real mesmo, hoje é o dia que, tirando na sorte, Xangô perdeu e foi obrigado a trabalhar no portão celestial. Amigão, essa eu tiro de letra. Me jogo no chão bato a cabeça três vezes e grito: “ – Valha-me orixá dos raios, trovões, das grandes descargas elétricas e do fogo voraz. O senhor é atrevido, violento mas é também o maior dos justiceiros, castiga os mentirosos, os ladrões e os malfeitores. Não aponte sua cólera sobre mim, pois temo sua ira, o castigo dos sujos!”

Colou? Claro! Mais uma vez, a porta se abre. Se bem que, desta vez, Xangô me olhou meio atravessado, afinal, ele sempre foi muito desconfiado.
Então, onde está a dificuldade?

Em nós, claro! Tantos nomes... parece que queremos colocar, em Deus, as diferenças do homem. Está ao contrário, nós é que fomos feitos a imagem e semelhança Dele. Ele nos fez igual, diferentes em potências, mas iguais nas qualidades tão esquecidas.
Como água no oceano imenso, somos a gota, o mar é Deus.

Ficamos, por aí, dando nomes, setorizando poderes, fragmentando como se ele fosse como nós: falho. Ao final tudo se resume num só, Aquele que está em todas as coisas de todos os tamanhos, onipresente, onipotente e onisciente. Bom feriado. Aproveite esse período para refletir sobre o nosso único Deus, acima de todas as torcidas organizadas.


Vi no blog João Oliveira - Psicólogo

Um comentário:

Sejá bem vindo ao Aluado Blog, dê sua opinião sobre o post...

OBRIGADO PELA VISITA! E VOLTE SEMPRE. ^^'

Aluado Blog Tumblr

SocialVibe