12 de novembro de 2008

Poesias: Frente ao espelho

Eu fiquei ali parado.
Abismado com o que via.
Eu era o homem que sorria.
Meu sorriso era sem graça.
Eu me tornara grande crítico.
Havia rugas e tristezas.
Havia sonhos frustrados.
Eu era o objeto a criticar.
Mais veloz o tempo passa.
Notam-se menos as belezas.
Não existem outros culpados.
Fica impossível mentir.
Navegar não é preciso.
Me enganar já não cabia.
Todo retrato é obsoleto.
Todo sonho é um por vir.
Faz-se inútil argumentar.
Tive inveja de Narciso.
Só o amor estava melhor.
Fiz das lágrimas um rio.
Meu espectro não chorava.
Havia um imenso vazio.
Até meu eu me abandonava.
A imagem era sem nexo.
A solidão ficou maior.
Percebi o que me faltava.
Você não estava no reflexo.
Não estava ainda a me abraçar.

2 comentários:

  1. Anderson q bonito isso. De quem é essa poesia ? É sua ? Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Anderson amei essa poesia !!! Linda, linda, linda !!! É sua ? Quero colocar ela no meu orkut, posso ? Por favor responda rsrs. Beijo.

    ResponderExcluir

Sejá bem vindo ao Aluado Blog, dê sua opinião sobre o post...

OBRIGADO PELA VISITA! E VOLTE SEMPRE. ^^'

Aluado Blog Tumblr

SocialVibe